EDI – TROCA DE INFORMAÇÕES

Alguma vez  alguém já te perguntou se sua empresa possuia EDI e você não soube o que era?

Vamos esclarecer as dúvidas sobre EDI de uma vez por todas, para que sua empresa saiba porque e para que utiliza-se o EDI.

EDI (Electronic Data Interchange )  ou em português  (troca eletrônica de dados)  na área de transporte é muito solicitado por empresas de médio ou grande porte, o EDI consiste em trocar informações entre as empresas sem que tenha que haver a comunicação direta entre os sistemas, EDI  são arquivos que vão ser trocados entre as empresas pra facilitar a troca das informações e evitar digitação por parte das empresas que contratam as transportadoras, no ramo logístico possuímos alguns tipos de EDI, normalmente eles seguem um padrão, chamado padrão PROCEDA, esse padrão possuí um manual que deve ser seguido a risca tanto pela transportadora quanto pela empresa que vai ler o EDI,esses manuais possuem versões e cada empresa pode utilizar a versão que desejar, as versões mais recentes possuem melhorias e novos campos que não foram colocados em versões anteriores. Caso a empresa queira, ela também pode criar um padrão próprio, porém não é recomendado uma vez que o padrão PROCEDA é utilizado em larga escala e evita que os programadores tenham o retrabalho de criar uma documentação e implementação novas.

 

Tipos de EDI:

Notfis: é um EDI que contêm as informações de Nota fiscal, onde normalmente vem: Numero da nota, peso, volume, remetente, destino, chave de nota fiscal e outros campos que são pertinentes a NF-e, quem manda o NOTFIS é a empresa que contrata o frete, em alguns casos no NOTFIS já vem calculado o valor do frete de cada NF-e.

Ocorren: EDI para ocorrências das notas, onde informa o número da nf, se a mercadoria foi entregue ou se houveram outras ocorrências com a carga, quando ocorreram, e se teve alguma observação.

CONEMB: EDI que informa quais conhecimentos foram feitos, valores, e outras informações do CT-e.

PRÉ-FAT: é um EDI de pré fatura, ele é  enviado pela empresa que contrata o frete, mostrando quais os conhecimentos devem estar na fatura que deverá ser enviada a empresa.

DOCCOB: é um EDI de fatura, onde constam quais os ctes e qual o valor da fatura que a transportadora está enviando.

Formas de envio:

Cada empresa trabalha de forma diferente para envio dos arquivos, algumas pedem que seja enviado por email, outras possuem ambiente FTP para enviar, outras possuem empresas que são responsáveis por fazer a integração.

o dbFrete é integrado atualmente com 40 empresas diferentes que utilizam EDI, empresas como: Krona Tubos e conexões, Nestlé, Café três corações, Magazine luiza, Britânia,Marilan alimentos,Amanco, Tigre entre outros.

 

Surgiram dúvidas a respeito do EDI? Entre em contato conosco, ficaremos felizes em ajudar.

 

 

 

CFOP

Qual CFOP devo utilizar na emissão dos meus conhecimentos?

Código fiscal de operações e prestações (CFOP) é utilizada para  definir se a operação fiscal terá ou não que recolher impostos.

O código deve obrigatoriamente ser indicado em todos os documentos fiscais da empresa, como por exemplo, notas fiscais, conhecimentos de transportes, livros fiscais, arquivos magnéticos e outros exigidos por lei, quando das entradas e saídas de mercadorias e bens e da aquisição de serviços.

Cada código é composto por quatro dígitos, sendo que através do primeiro dígito é possível identificar qual o tipo de operação, se entrada ou saída de mercadorias.

Classificação da CFOP para transportadoras.

Primeiro digito: 5,6 ou 7

5 é utilizado  para quando o transporte ocorre dentro do estado.

6 é utilizado para quando o transporte inicia em um estado e termina em outro.

7  é utilizado para exportação.

 

três últimos dígitos: 351,352,353,357,358,932

351:Serviços de Transporte para outra Transportadora

352: Prestação de serviço estabelecimento Industrial

353: Prestação de serviço estabelecimento comercial

357: Prestação de serviço a não contribuinte

358: Transporte destinado a exportação.

932: Transporte iniciado fora do estado onde a transportadora possui inscrição estadual

 

Exemplos:

Transporte para industria de SP para BA deve se utilizar 6.352;

Transporte para pessoa física de BA para BA deve se utilizar o 5.357

Outro exemplo comum, transportadora é do estado de SP porém vai buscar a mercadoria na BA para entregar em SP, deve se utilizar a CFOP: 6.932  pois está iniciando o transporte em um local diferente de onde possui inscrição estadual.

Pode acontecer também o seguinte, essa mesma empresa de SP, fazer um frete de uma cidade da BA para outra cidade da BA, nesse caso deve se utilizar o 5.932 pois o frete inicia e termina no mesmo estado, porém ocorre em estado onde a transportadora não está inscrita.

O  dbFrete identifica automaticamente as CFOP’s que devem ser utilizadas, caso alguma esteja em divergência, favor entrar em contato que analisamos o caso.

 

SEFAZ NACIONAL COM PROBLEMAS

dbFrete informa:

Sefaz nacional está com problemas de sincronizações com SEFAZ estaduais,  esse problema impede que as informações de notas fiscais cheguem no ambiente nacional, ocasionando erro de que a nota não existe no portal nacional.

As empresas quando emitem suas respectivas notas fiscais, enviam suas notas para o sefaz do estado onde estão localizadas, o mesmo é responsável pela sincronização com o sefaz nacional, o dbFrete consulta apenas o portal nacional.

Site do sefaz: www.nfe.fazenda.gov.br

 

Se sua nota se encontra no sefaz nacional e o dbfrete não conseguiu encontrar, favor entrar em contato conosco através do nosso suporte.

 

 

Averbações de transportes de cargas

O seu seguro está em dia?

Com as novas legislações de seguro de transportes em vigor, algumas dúvidas surgem quanto ao seguro de cargas, vamos tentar esclarecer ao máximo tudo que você transportador precisa saber sobre o seguro da sua carga.

Atualmente é necessário fazer a averbação do conhecimento antes mesmo dele seguir viagem, de acordo com a resolução 247 da SUSEP. O Seguro de cargas é dividido em duas categorias, o chamado seguro de transportes e também o seguro de responsabilidade civil. O Seguro de transportes pode ser pago tanto pelo transportador como pelo remetente da mercadoria, quando o remetente é responsável pelo seguro de transportes chamamos de DDR (Dispensa do direito de Regresso), o seguro de responsabilidade civil é pago apenas pelo transportador, uma prática comum anteriormente era o DDR total,que foi proibido recentemente.

É necessário que o transportador acompanhe diariamente a situação perante a sua seguradora. O dbFrete tem uma parceria com a empresa AT&M, para averbação automática, a AT&M, faz toda a transação entre você e sua seguradora, atualmente eles possuem parceria com as seguradoras:

at&m

              *Lista de clientes tirada no dia 13/03/2015 ,sujeita a alterações por parte da AT&M

Caso você possua uma das seguradoras acima, entre em contato com seu corretor e solicite o credenciamento na AT&M, em seguida entre em contato conosco para que possamos habilitar o processo dentro do dbfrete, assim no ato da emissão sua carga já será averbada automaticamente.

 

Qualquer dúvida, não hesite em nos contactar.

 

 

BLOG DBFRETE

Boa tarde caros Leitores.

Sejam Bem vindos ao nosso Blog, nele serão postados conteúdos exclusivos sobre transportes e sobre o nosso sistema da dbFrete, serão postados dicas de como se utilizar o sistema, dicas de transportes, novas atualizações e novas obrigações do governo. Estaremos abertos a dúvidas, críticas, sugestões.

 

Algumas postagens  só serão liberadas para nossos Clientes/Parceiros.