CFOP

Qual CFOP devo utilizar na emissão dos meus conhecimentos?

Código fiscal de operações e prestações (CFOP) é utilizada para  definir se a operação fiscal terá ou não que recolher impostos.

O código deve obrigatoriamente ser indicado em todos os documentos fiscais da empresa, como por exemplo, notas fiscais, conhecimentos de transportes, livros fiscais, arquivos magnéticos e outros exigidos por lei, quando das entradas e saídas de mercadorias e bens e da aquisição de serviços.

Cada código é composto por quatro dígitos, sendo que através do primeiro dígito é possível identificar qual o tipo de operação, se entrada ou saída de mercadorias.

Classificação da CFOP para transportadoras.

Primeiro digito: 5,6 ou 7

5 é utilizado  para quando o transporte ocorre dentro do estado.

6 é utilizado para quando o transporte inicia em um estado e termina em outro.

7  é utilizado para exportação.

 

três últimos dígitos: 351,352,353,357,358,932

351:Serviços de Transporte para outra Transportadora

352: Prestação de serviço estabelecimento Industrial

353: Prestação de serviço estabelecimento comercial

357: Prestação de serviço a não contribuinte

358: Transporte destinado a exportação.

932: Transporte iniciado fora do estado onde a transportadora possui inscrição estadual

 

Exemplos:

Transporte para industria de SP para BA deve se utilizar 6.352;

Transporte para pessoa física de BA para BA deve se utilizar o 5.357

Outro exemplo comum, transportadora é do estado de SP porém vai buscar a mercadoria na BA para entregar em SP, deve se utilizar a CFOP: 6.932  pois está iniciando o transporte em um local diferente de onde possui inscrição estadual.

Pode acontecer também o seguinte, essa mesma empresa de SP, fazer um frete de uma cidade da BA para outra cidade da BA, nesse caso deve se utilizar o 5.932 pois o frete inicia e termina no mesmo estado, porém ocorre em estado onde a transportadora não está inscrita.

O  dbFrete identifica automaticamente as CFOP’s que devem ser utilizadas, caso alguma esteja em divergência, favor entrar em contato que analisamos o caso.

 

Expedidor,Recebedor,Consignatário,Redespacho

Expedidor,recebedor,consignatário e redespacho, tomador você sabe qual é a diferença e quando utiliza-los?

É comum na transportadora termos diversas situações onde o frete não se resume apenas no remetente e destinatário, ocasiões como outros tomadores de serviço, outras transportadoras envolvidas e até mesmo outro destino de entrega, são comuns no cotidiano das transportadoras no decorrer desse post vamos entender um pouco os termos  e quando podemos utiliza-los.

Tomador: Responsável que irá pagar o conhecimento de transporte

Recebedor: Pode ser informado  quando o destinatário não for aonde a mercadoria vai ser entregue, é utilizado caso o destinatário seja de um lugar e será entregue em outro. Pode ser preenchido também, caso a sua transportadora for deixar em outra transportadora para que ela termine o frete (redespacho)

Redespacho: Deve ser informado quando a sua transportadora for levar até uma outra transportadora para que ela finalize o frete, muito utilizado para empresas que não levam até a rota que o cliente precisa, porém possui parceiros/filiais que podem fazer o trajeto as informações do redespacho saem no campo do recebedor.

Consignatário: É utilizado quando um terceiro envolvido é  quem irá  ser o tomador do serviço em casos que não é nem o remetente nem o destinatário que irá efetuar o pagamento do serviço.

Expedidor: Deve ser utilizado quando a transportadora for pegar a mercadoria em outro local, diferente do local do remetente, muito utilizado por outras empresas onde o remetente é de outro estado porém a mercadoria vai ser pega no estado onde está  a transportadora ou entregue diretamente a transportadora. Exemplo: Remetente é de RS, Transportadora de SP, mercadoria será pega na filial dessa empresa de RS que está em SP para ser entregue em BA, o expedidor deve ser a filial de SP, para que o conhecimento de transporte saia com ORIGEM SP, Destino BA, ao invés de sair como origem RS.

 

Qualquer  dúvida, estamos a disposição.

 

 

 

 

 

ICMS ANTECIPADO

ICMS antecipado,você sabe o que é? e quando deve ser pago?

Se você transportador nunca ouviu falar de ICMS antecipado, chegou a hora de saber como e quando deve-se pagar.

Atualmente é comum as transportadoras, pra não voltarem com seus caminhões vazios dos destinos, arrumarem uma carga e fazer o transporte de volta, emitindo conhecimento do estado aonde está o caminhão. O que muitos transportadores não sabem, é que ao fazer isso, se você não tiver INSCRIÇÃO ESTADUAL, no estado em que o caminhão está carregando,o ICMS deve ser pago na origem, ou seja antes do caminhão viajar, deve ser gerado uma guia chamada GNRE  e ser paga, para que o fiscal não autue o caminhão e nem segure a mercadoria, caso tenha alguma dúvida na hora de gerar a GNRE, recomendamos entrar em contato com o seu contador, para que ele ensine a gerar a guia.Feito isso, o conhecimento de transporte, sai com a coluna de ICMS zerada, pois já foi pago o ICMS na origem, não precisando assim, ter que paga-lo no final do mês.

 

Dúvidas sobre o ICMS antecipado, estamos a disposição.

 

 

 

Averbações de transportes de cargas

O seu seguro está em dia?

Com as novas legislações de seguro de transportes em vigor, algumas dúvidas surgem quanto ao seguro de cargas, vamos tentar esclarecer ao máximo tudo que você transportador precisa saber sobre o seguro da sua carga.

Atualmente é necessário fazer a averbação do conhecimento antes mesmo dele seguir viagem, de acordo com a resolução 247 da SUSEP. O Seguro de cargas é dividido em duas categorias, o chamado seguro de transportes e também o seguro de responsabilidade civil. O Seguro de transportes pode ser pago tanto pelo transportador como pelo remetente da mercadoria, quando o remetente é responsável pelo seguro de transportes chamamos de DDR (Dispensa do direito de Regresso), o seguro de responsabilidade civil é pago apenas pelo transportador, uma prática comum anteriormente era o DDR total,que foi proibido recentemente.

É necessário que o transportador acompanhe diariamente a situação perante a sua seguradora. O dbFrete tem uma parceria com a empresa AT&M, para averbação automática, a AT&M, faz toda a transação entre você e sua seguradora, atualmente eles possuem parceria com as seguradoras:

at&m

              *Lista de clientes tirada no dia 13/03/2015 ,sujeita a alterações por parte da AT&M

Caso você possua uma das seguradoras acima, entre em contato com seu corretor e solicite o credenciamento na AT&M, em seguida entre em contato conosco para que possamos habilitar o processo dentro do dbfrete, assim no ato da emissão sua carga já será averbada automaticamente.

 

Qualquer dúvida, não hesite em nos contactar.

 

 

CIOT (CÓDIGO IDENTIFICADOR DE OPERAÇÃO DE TRANSPORTE)

Saudações Leitores.

O Tema CIOT gera um pouco de dúvidas na cabeça do transportador, com a proibição da carta frete o governo institui que seria necessário o pagamento eletrônico  de frete, através da Resolução ANTT nº 3.658/2011.

Esse pagamento eletrônico,exclui qualquer outro tipo de pagamento ao motorista considerado TAC (transportador autônomo de cargas), ou seja, apenas transferências bancarias serão aceitas pela ANTT.

Caso você e sua empresa não esteja fazendo o CIOT atualmente, entre em contato com nosso suporte, para que possamos implantar na sua empresa, o não cumprimento pode ocasionar uma multa tanto a transportadora quanto ao remetente da mercadoria.

 

 

 

 

Manifesto Digital

logo_mdfe

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado eletronicamente, onde nele constam informações de toda a carga a ser transportada. Informando quais são os conhecimentos eletrônicos que compõem a carga.Esse documento é útil para que o fiscal saiba de forma rápida, quais os itens que estão presentes dentro do caminhão, peso, valor de mercadoria, entre outros dados que estão presentes.

O Documento é obrigatório para todas as transportadoras desde  1 de outubro de 2014, é necessário emitir o manifesto digital PARA TODAS AS VIAGENS, anteriormente só se fazia necessário em cargas fracionadas, após uma mudança na legislação, tornou-se necessário também pra cargas lotação.

O dbFrete está totalmente apto ao MDF-e, caso sua empresa necessite de algum suporte quanto a isso, entre em contato conosco que ficaremos felizes em ajuda-lo.